#Finanças

5 estratégias para enfrentar o desemprego

Crise e desemprego são duas palavras que atormentam os brasileiros há alguns anos. Não vou mentir, a realidade está complicada em nosso país, mas existem caminhos para driblar as dificuldades. No artigo de hoje, apresento cinco estratégias para enfrentar o desemprego.

A instabilidade dos trabalhos tem se acentuado com o passar do tempo e pouca gente se sente amparada no emprego atual. O fantasma da demissão ronda muitas famílias Brasil afora. A boa notícia é que existem boas técnicas para bater de frente com o desemprego. Vamos a elas:

1- Conscientize-se sobre seus direitos

Quando um profissional é comunicado de sua demissão, precisa se informar imediatamente dos seus direitos para ter algum amparo enquanto busca recolocação. Uma conversa franca com o chefe ou o responsável pelo RH pode contribuir para que a saída seja amigável e não corte direitos adquiridos.

Se houver alguma resistência da empresa em honrar com suas obrigações trabalhistas, procure ser polido para manter as portas abertas. Seja firme e respeitoso ao mesmo tempo.

Nessa dica, cabe uma ressalva importante. Muitos dos direitos dos trabalhadores foram diminuídos a partir da reforma trabalhista, mas ainda assim, quem é demitido tem algum amparo da lei.

2- Ajuste seu planejamento financeiro

O orçamento doméstico da família se baseia fundamentalmente na renda mensal obtida a partir do trabalho. Em um cenário em que a pessoa está desempregada, é vital readequar seu planejamento e cortar gastos sensivelmente para não consumir as reservas muito rapidamente.

Nessa fase, alguns sacrifícios são necessários e vão ajudar você a superar um período difícil. Vale a pena reunir a família para encontrar de forma conjunta os pontos a serem ajustados no orçamento. Por exemplo, assinatura de TV é um gasto que pode ser cortado.

3- Organize seu tempo

Eu, particularmente, não acredito na máxima “Tempo é dinheiro”, mas reconheço que o tempo tem um valor imenso em nossas vidas. Quando alguém fica desempregado, esse bem tão precioso deve ser usado com ainda mais sabedoria. Organize seu tempo de forma dinâmica para buscar caminhos que levem você mais rapidamente a uma recolocação profissional.

Minha sugestão é dividir a agenda em três partes. Na primeira, o foco é construir uma renda temporária com uma atividade, como dirigir para um aplicativo de transporte ou dar aulas particulares. A segunda parte é dedicada à procura do emprego em redes sociais, sites especializados e idas à entrevistas.

O que sobra do tempo fica destinado aos cuidados pessoais. Isso inclui leituras, exercícios físicos, visitas a parentes e outras atividades que mantenham você com a saúde física e mental em dia.

4- Qualifique seu currículo

A rotina corrida de 40 horas semanais limita as opções de cursos que visam vitaminar o currículo. Quando se está desempregado, sobra muito mais tempo para se dedicar aos estudos.

Essa atitude melhorará sua qualificação e aumentará as chances de obter um novo cargo em pouco tempo.

5- Procure se promover para encurtar o desemprego

Em um cenário de demissões em massa, há muita oferta de trabalho para poucas vagas. Isso significa que as chances de triunfar são maiores se você buscar caminhos para apresentar seu serviço a quem pode se interessar por ele.

Um desses caminhos é oferecer amostras da sua produção, seja online ou offline. Você pode, por exemplo, se candidatar para trabalhar gratuitamente por uma semana em caráter de experiência. Se isso não se converter em um emprego fixo, no mínimo, servirá como aprendizado e networking.

Ser demitido pode ser uma situação traumática, mas, felizmente, existem estratégias para enfrentar o desemprego. Se você adotar as medidas apresentadas por mim neste texto, certamente terá chances maiores de se recolocar no mercado. Boa sorte!

Postado em 25/06/2018
Compartilhe