#Finanças

Alugar imóveis é a melhor opção?

A dúvida entre comprar ou alugar imóveis faz parte da rotina de inúmeras famílias brasileiras. Todos buscam entender o que vale mais a pena em termos financeiros. A análise básica tem no aluguel a alternativa mais racional, pois ela permite aplicar o dinheiro que seria gasto na aquisição do imóvel. Muitas pessoas se afastam dessa ideia por considerarem muito alto o valor a ser pago mensalmente. A grande questão é entender de fato o que compõe o aluguel.

Hoje, vou abordar um aspecto importante na eterna dúvida sobre comprar ou alugar imóveis. O exemplo de um dos meus seguidores é bastante didático na compreensão sobre o que compõe o aluguel. O caso mostra como devemos ter cuidado na decisão final.

Comprar ou alugar imóveis: financiar vale a pena?

A questão do meu seguidor não era exatamente sobre o que compõe o aluguel, mas a resposta passa por esse aspecto. Ele buscava sair da casa dos pais e havia encontrado um imóvel adequado, que trazia a opção de aluguel ou financiamento. Como já tinha uma boa reserva, seria possível dar entrada em mais de 50% do valor do imóvel e financiar o restante. A segunda alternativa era manter os investimentos e viver de aluguel por certo período.

Em seu exemplo, meu seguidor apontava que o aluguel estava na casa dos 2200 reais, mas esse número já incluía IPTU e condomínio. Trata-se de um erro conceitual, pois devemos separar os três componentes desses 2200 reais. Além do valor estabelecido no contrato de locação, há IPTU e condomínio. Quando somamos, é natural que o montante seja elevado.

Uma importante ressalva

A ressalva que precisa ser feita nesse tipo de situação diz respeito justamente a IPTU e condomínio. Quem opta por financiar uma casa deve se lembrar que também terá de arcar com esses dois encargos.

Entre comprar ou alugar imóvel, IPTU e condomínio não podem pesar apenas de um dos lados. Do contrário, é muito fácil se iludir e imaginar que a casa própria envolverá um gasto mensal sensivelmente menor. Muitas vezes será menor mesmo – depende bastante das condições de financiamento –, mas IPTU e condomínio precisam estar na equação.

Um alerta para quem pensa em alugar

Fazer a soma dos valores de IPTU, condomínio e contrato de locação pode gerar outro tipo de problema. É fundamental separar bem esses três componentes para não arcar com cobranças indevidas. Destaco isso porque algumas imobiliárias têm feito uso de um expediente perverso.

Em geral, a pessoa que deseja alugar estabelece um teto de gasto mensal que serve de referência para o mercado imobiliário. Isso inclui os valores de contrato, IPTU e condomínio. Porém, há imobiliárias que se aproveitam do desconhecimento de seus clientes para “turbinar” seu percentual de serviço. Em outras palavras, o locatário acaba arcando com uma taxa inflacionada, que se baseia na soma de IPTU, condomínio e valor do aluguel. Por isso, fique sempre de olho para fazer a separação dos valores e evitar um custo mensal inflacionado.

Comprar ou alugar imóveis?

Há muitas dúvidas entre comprar ou alugar imóveis. Entender o que compõe o aluguel ajuda na tomada de decisão para fazer a escolha mais adequada à sua realidade. Esse tema é bastante rico e proporciona diferentes reflexões. Você pode conferir algumas das abordagens a respeito desse assunto neste link.

Postado em 01/06/2018
Compartilhe